A ideia da minha Startup virou função nativa do WhatsApp. Cinco anos depois, entendo por que não deu certo.

Posted on

Ontem usei uma função nativa do WhatsApp que seria o principal destaque da minha Startup. Startup que tive há cinco anos.

Sim, eu tive uma startup. Eu era dona dela assim como outras sete pessoas e esse foi o grande erro e maior lição que tive. Mas esse post não é sobre isso.

Esse post é uma reflexão de uma ideia muito boa, mas que estava fora de um contexto e que, por isso, não tinha chance de dar certo.

Minha startup se baseava em usar a tecnologia para ser um backup de segurança para as pessoas.

A ideia do aplicativo consistia em entender o comportamento de deslocamento dos usuários e, caso acontecesse uma mudança de rota fora do comum, ele ativaria o envio de mensagens para contatos de segurança previamente definidos pelo usuário.

E também seria possível fazer o que fiz ontem:

Compartilhar localização em tempo real em “situações de risco”.

Os momentos de maior risco de deslocamento são a chegada até o carro e a chegada em casa. Isso nos foi contado na época pelo então coronel da ROTAM de Brasília. Quando a equipe dele viu a matéria sobre a nossa Startup, eles entraram em contato querendo ajudar com o suporte técnico necessário para desenvolver a nossa ideia.

Um exemplo prático de uso do aplicativo seria o compartilhamento de localização (e áudio, se quisesse) no momento em que estivesse saindo de uma festa com uma pessoa de confiança. Assim, ela poderia “te acompanhar” pela internet e em tempo real até o momento da chegada.

Hoje, é possível fazer isso pelo WhatsApp:

Mas ha cinco anos essa era uma ideia revolucionária. Tanto que saímos em todos os jornais de Brasília.

Mas, no fim das contas, não conseguimos evoluir.

Meu maior aprendizado nesse tempo todo é que:

Uma ideia boa é apenas uma ideia. 

Na prática, colocar a ideia no ar é que conta. Fazer dar certo não é para qualquer um.

E, como eu valorizo os erros da minha Startup, aprendi mais do que se tivesse acertado tudo em termos de produto.

O que eu não sabia naquela época é que:

Não podemos mudar o comportamento das pessoas. Se aquilo não fizer parte da rotina dela, aquilo não será usado. Ter um aplicativo só para compartilhar sua localização não daria certo, mas colocar essa função dentro de um aplicativo que as pessoas já utilizavam, sim. 

Mais ainda,

Falar da sua ideia para jornais e revistas ajuda na construção de uma rede, na procura por investidores e também na atração de pessoas que vão te procurar para trabalhar e ajudar no projeto.

Mas a mídia também atrapalha, e muito. Ele atrai pressão para a equipe, conflitos de interesses, curiosos que querem “roubar sua ideia”, problemas de “egos” e milhares de outras coisas.

E no final das contas, uma ideia boa é apenas uma ideia. Tirar ela do papel é que faz a diferença.

0 Comments

Leave a comment

Your email address will not be published.